Conspira contra sua própria grandeza o povo que não cultiva seus feitos heroicos

Comunicação Social e Conteúdo - Prof. Israel Blajberg

Desenvolvimento e Administração - Daniel Mata Roque

SPK Brasil: uma saga de vitórias, sucessos e importantes realizações

TC André Dias¹

25/06/2018

O ano de 966 marca a origem da atual República da Polônia (em polonês Rzeczpospolita Polska), quando Mieszko I, primeiro rei da Polônia, em pleno século X, converte um território de dimensão semelhante ao existente na atualidade ao cristianismo. Deste então, a rica e movimentada história se encarrega de moldar e maximizar a têmpera guerreira e determinada de uma nação que é exemplo de patriotismo, persistência e superação ao mundo.

Democracia consolidada em sistema parlamentarista de governo, economia estável e grande potencial turístico, essa é, em síntese, a promissora Polônia da atualidade. No Brasil, o movimento migratório polonês ocorreu sobretudo nos séculos XIX e XX, com o estabelecimento de núcleos principalmente na região sul do País, nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Outros grupos, menos numerosos, assentaram suas bases na região sudeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais) e também em Goiás. Hoje, o Brasil se orgulha de possuir quase 2 milhões de descendentes poloneses, totalmente integrados, representando a terceira maior população com essa ascendência em todo mundo.

O país que trouxe ao mundo personalidades marcantes como o músico Frederic Chopin e o Papa João Paulo II (Karol Wojtyla) não passou despercebido aos efeitos devastadores de duas guerras mundiais, além dos reflexos resultantes das tensões produzidas durante a Guerra Fria, momento histórico em que o mundo se viu polarizado politicamente e dividido entre ocidente e oriente. Pelo contrário, os poloneses viveram cada um desses acontecimentos de forma muito intensa. Tendo por cenário o contexto apresentado, e com a lupa apontada para os efeitos e repercussões da Segunda Guerra Mundial, serão desenvolvidos os parágrafos seguintes.

O Brasil, do outro lado do Atlântico, teve ativa participação durante a Segunda Guerra Mundial, enviando ao continente europeu um efetivo de quase 26 mil, que somando forças aos Aliados, contribuíram com sangue e suor para a vitória final. Inserida nesse feito marcante, ressalta-se a participação da colônia polonesa, já parte inseparável da sociedade brasileira, que voluntariamente empenhou seus filhos no esforço para a formação da Força Expedicionária Brasileira, na luta contra o nazifacismo e restabelecimento da liberdade e democracia.

Criada em 1946, e portanto somando mais de 70 anos de existência, a Federação Mundial dos Ex-Combatentes Poloneses, com base em Londres, projeta seus objetivos e propósitos em várias partes do mundo. Com a missão geral de difundir a história e tradições polonesas, rende em sentido amplo justa homenagem a todas as pessoas que se sacrificaram na luta pela independência da Polônia durante a Segunda Guerra Mundial e em outros percalços até o ano de 1989, considerado marco de referência para os eventos que culminaram com o fim da Guerra Fria.

Tendo por alicerce as façanhas que irmanaram Brasil e Polônia na Segunda Guerra Mundial, em atmosfera de fraternidade e cooperação, funda-se no País uma representação da Federação Mundial dos Ex-Combatentes Poloneses na cidade do Rio de Janeiro, a denominada Associação dos Ex-Combatentes Poloneses no Brasil (SPK – Stowarzyszenie Polskich Kombatantów – Brasil), como resultado natural da integração brasileiro-polca em evidente e crescente desenvolvimento.

O Monumento Nacional dos Mortos da Segunda Guerra Mundial (MNMSGM) foi inaugurado em 1959, idealizado pelo marechal João Baptista Mascarenhas de Moraes, comandante da Força Expedicionária Brasileira (FEB), com o fim de receber os restos mortais dos soldados brasileiros mortos na Itália. Desde 1960, 462 corpos de heróis brasileiros falecidos em solo italiano, 10 deles de descendência polonesa, repousam eternamente em mausoléu construído no subsolo deste monumento votivo.

No Monumento, uma das urnas, de mortos não identificados, simboliza o "Soldado Desconhecido". Ela foi entregue pelo marechal Mascarenhas de Moraes ao então Presidente da República, para ser depositada na base do Pórtico. Desde então, faz-se acompanhar por uma chama eterna, que mantida permanentemente acesa, representa o respeito e orgulho da Nação brasileira aos seus filhos tombados durante a guerra, no estrito e sagrado cumprimento do dever.

Desde 1964, o Dia do Soldado Polonês é comemorado anualmente no MNMSGM, em solenidade sempre marcada por emoção, tradição, respeito e beleza. Entretanto, salienta-se que mesmo antes dessa data, os ex-combatentes poloneses, por já integrarem os quadros da Associação dos Ex-combatentes do Brasil - Seção Rio de Janeiro, têm participando ativamente dos mais variados eventos e desfiles cívico-militares no País.

A SPK Brasil tem hoje como Presidente o Ilustre Tenente-Coronel Engenheiro Ignacy Felczak, homem de notável distinção, que lidera pelo exemplo e conduz a Associação com grande patriotismo, abnegação, sentimento do dever e, sobretudo, muita competência. Soldado na mais pura e verdadeira acepção da palavra, trabalha incansavelmente em prol das causas e do bem-estar dos veteranos poloneses no Brasil, com compromisso e determinação.

O Tenente-Coronel Ignacy é pessoa extremamente educada e afável, que contagia a todos com sua energia juvenil e mantém acesa e em destaque a lembrança do ex-combatente polonês, sempre com muita habilidade. Promove todos os eventos planejados pela SPK com bastante eficácia e se encarrega de manter e fortalecer os laços de camaradagem com os demais ex-combatentes da Segunda Guerra Mundial, brasileiros ou de nações amigas e aliadas do Brasil durante o conflito mundial e na atualidade.

Do exposto, torna-se intuitivo concluir que a SPK Brasil cumpre de forma extraordinária seu papel. Seu Presidente atual é incontestavelmente exemplo a brasileiros, poloneses e integrantes de toda comunidade internacional. Sob essa égide, o ano de 2018 reserva a todos a expectativa de mais um grande evento de comemoração do Dia do Soldado Polonês, quando será possível prestigiar e confraternizar com integrantes da SPK Brasil e demais autoridades polonesas residentes no País. A cobra fumou e continuará a fumar! 

 

 

¹Artigo escrito pelo Tenente-Coronel do Exército Brasileiro André Luiz de Souza Dias. O TC André Dias foi declarado Aspirante-a-oficial em novembro de 1996 e diplomado Oficial de Estado-Maior pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército em 2013. Possui também o Curso de Estado-Maior das Forças Armadas do Reino da Espanha, concluído em 2016. É Mestre em Operações Militares e em Ciências Militares, ambos no Brasil, e em Política de Defesa e Segurança Internacional pela Universidade Complutense de Madrid (UCM), na Espanha. Atualmente integra o Estado-Maior do Comando Militar do Leste e foi nomeado Comandante do 29º Batalhão de Infantaria Blindada, em Santa Maria-RS, para o biênio 2019-20.